AconteceuEducação

Governadora Izolda Cela reafirma compromisso com educação pública de qualidade e anuncia expansão do Pacto pela Aprendizagem


A trajetória de 15 anos do Mais Paic tem a marca de gestores públicos e educadores cearenses que se mobilizaram para transformar a realidade do estado que, na virada do milênio, apresentava altos índices de analfabetismo. “Em 2007, ninguém sabia como seria. Mas a nossa meta, ensinada pela professora Izolda Cela, era ter 100% das crianças na escola e aprendendo na idade certa. A meta ainda é fazer com que a escola pública seja sempre a melhor”, frisou Eliana Estrela, titular da Seduc.

Outro ponto forte é o diálogo permanente, que também caracteriza o processo de aprimoramento da política. Em 2011, as ações do programa foram expandidas até o 5º ano, para melhorar os resultados de aprendizagem da etapa inicial do Ensino Fundamental. Essa iniciativa foi denominada Programa Aprendizagem na Idade Certa (Paic+5).

Já em 2015, o Governo do Ceará lançou o Mais Paic, que ampliou o trabalho de colaboração com os 184 municípios, passando a apoiar, além da Educação Infantil e dos anos iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano), as turmas dos anos finais (6º ao 9º ano) das escolas públicas cearenses.

O desenvolvimento dessa política estratégica de educação foi fortalecido pela meritocracia e pelo equilíbrio fiscal do Estado, que permite o repasse da cota-parte do Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços (ICMS) ser realizado baseado nos resultados educacionais de cada município.

“Nós estamos falando da maior política educacional que o Brasil tem, e nasceu aqui no Ceará. Estamos falando de construir sonhos, dar esperança”, destacou o ex-governador do Ceará, Camilo Santana, que prestigiou a solenidade.

Mateus Gabriel, 20, natural de Sobral, contou com o apoio dessa política pública desde as primeiras leituras na fase de alfabetização. “Meus primeiros contatos com o universo da leitura foram essenciais para a construção de tudo que eu ia viver e vivo ainda hoje. A partir da alfabetização, consegui desenvolver um mundo de possibilidades. Lendo os primeiros livros e conhecendo as primeiras histórias, viajei pelo mundo dos sonhos e da imaginação, o que permitiu que eu pudesse desejar uma nova realidade para a minha vida e pensar numa transformação para ela”, relatou Mateus, que atualmente cursa Odontologia na Universidade Federal do Ceará (UFC).

A transformação que ocorreu na vida de Mateus não é singular. De acordo com os dados do Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Estado do Ceará (Spaece), pela primeira vez na história, em 2019 todos os 184 municípios cearenses atingiram o nível desejável de alfabetização. Além disso, 92,7% das crianças cearenses estavam alfabetizadas ao término do 2º ano.

No Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) 2019, o Ceará alcançou pontuação de 5,2, ultrapassando a projeção para aquele ano (4,6). Ainda segundo o Ideb, o Ceará obteve ainda os melhores resultados nas duas etapas do Ensino Fundamental entre os estados do Norte e do Nordeste.

O sucesso do programa e a melhoria dos índices de alfabetização foram tão impressionantes, que desde 2017 tem inspirado experiências similares em estados como Espírito Santo, Maranhão, Amapá, Rio Grande do Norte, Pernambuco e Alagoas.

“O início de toda transformação foi pelo Paic, que estruturou todo esse alicerce. Exemplos como do Mateus nos inspiram a acreditar que vamos transformar a sociedade por meio da educação”, ressaltou Evandro Leitão, presidente da Assembleia Legislativa do Ceará, que também esteve no evento.

O êxito da política está, também, na redução das desigualdades sociais, afirmou Luiza Aurélia Teixeira, secretária municipal da Educação de Crateús e presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais da Educação (Undime Ceará), instituição que colaborou no desenho do programa. “Essa política dá mobilidade social, tirando pessoas da miséria. Não é uma política pública de governo, é de Educação”.

“Um dos maiores avanços que o Ceará teve foi escolher os gestores escolares pela meritocracia. Os profissionais se sentem valorizados”, complementou Jaime Cavalcante, secretário municipal da Educação de Aquiraz.

Fonte: Blog do Tidi

Mais Notícias

Botão Voltar ao topo