Policial

Supesp discute a implementação do Programa de Policiamento em Pontos Quentes com o BID








22 de junho de 2022 – 16:27
# # # #



Ampliando o projeto de otimização dos recursos de financiamento pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) na área da segurança pública no Ceará, técnicos da instituição, da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e da Superintendência de Pesquisa e Estratégia de Segurança Pública (Supesp) participaram de um encontro virtual para discutir a implementação do Programa de Policiamento em Pontos Quentes.

O programa consiste no envio de dados, estatísticas e métricas pela Supesp aos consultores do banco, que irão promover oficinas e apoio técnico para a implementação dos ‘hotspots’ ou pontos quentes, que mapeiam com mais detalhamento os pontos com indicadores criminais sensíveis. O encontro on-line aconteceu na tarde dessa terça-feira (21/06) e contou com a participação do consultor do BID, Rodrigo Serrano Berthet, que apresentou o programa de policiamento em pontos quentes, seus objetivos, expectativas e próximos passos. Foram discutidos, também, os principais conceitos e práticas relacionadas a esse modelo de policiamento, além de serem apresentadas as formas de identificar segmentos de rua e rotas.

Também estiveram presentes, o gerente de Estatística e Geoprocessamento (Geesp/Supesp), Franklin Torres, e a coordenadora do Centro de Ciência Aplicada à Segurança da Fundação Getúlio Vargas (FGV/CCAS), Joana Monteiro. Segundo Franklin Torres, esse acompanhamento e apoio técnico pelo BID proporcionará uma maior alcance do sistema que já é desenvolvido e executado na Supesp, que são as manchas criminais.

No último mês de março de 2022, consultores do banco estiveram em Fortaleza e na sede da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS-CE) para discutir este ponto do programa e a aplicação de investimentos no no PreVio, programa vinculado à Vice-Governadoria, que atua na prevenção à criminalidade e nas ações voltadas diretamente à segurança pública do Estado, sendo R$ 31 milhões para ações de policiamento de proximidade implementados pelas Unidades Integradas de Segurança (Unisegs) e pelo Programa Estadual de Proteção Territorial e Gestão de Riscos (Proteger); e R$ 41 milhões para outras ações envolvendo a SSPDS-CE, pela Perícia Forense do Ceará (Pefoce) e pela própria Supesp.




Fonte: SSPCE

Mais Notícias

Botão Voltar ao topo