Ipu NoticiasÚltimas Notícias

Com novas transferências, cúpula do PCC se concentra em Brasília Blog


Agente com arma na Penitenciária federal em Brasília. PCC

 

Em meio a ameaças de sequestro e execução de policiais,
a Secretaria Nacional de Políticas Penais (Senappen) promoveu nova
transferências de presos ligados ao comando da facção paulista Primeiro
Comando da Capital (PCC). Considerados de altíssima periculosidade, Cláudio
Barbará da Silva, 62 anos, e Reginaldo do Nascimento, o Jatobá, 52,
deixaram a carceragem de segurança máxima em Mossoró (RN) e já estão na
Penitenciária Federal de Brasília (PFBRa), uma das mais seguras do país.

A transferência foi feita de forma sigilosa, na última terça-feira
(21/11), mas movimentou forte efetivo da polícia penitenciária federal
devido ao risco de resgate dos internos. O rodízio de presos tem
previsão legal e ocorre por motivos de segurança. Em geral, familiares e
advogados são avisados sobre a nova localidade apenas após a conclusão
das operações.

Com a nova composição, Barbará e Jatobá se juntam aos
demais cabeças do PCC, como o líder máximo Marco Willians Herbas
Camacho, 55, o Marcola; Roberto Soriano, conhecido como Tiriça, e Abel
Pacheco de Andrade, mais conhecido como Vida Loka.

 

agentes penitenciários federais

Cirurgia

Não é a primeira vez de Barbará na capital federal. Em julho do ano
passado, ele chegou a fazer uma cirurgia nos olhos, no Hospital
Universitário de Brasília (HUB), na Asa Norte. O criminoso já foi
conhecido como “vice-chefe” da facção, e é considerado principal nome da
“sintonia final dos estados e países”, como é chamada a cúpula do PCC.

Enquanto equipes formadas por agentes penitenciários federais
integravam o comboio que conduzia Barbará ao hospital, equipes do
Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar do DF davam
apoio bloqueando algumas ruas. Durante todo o trajeto de São Sebastião,
onde fica o presídio, até o HUB, um helicóptero da Divisão de Operações
Aéreas (DOA) da Polícia Civil do DF foi usado para fazer o
acompanhamento.

O interno foi para o sistema penitenciário federal em novembro de
2018, quando a Justiça de São Paulo determinou a transferência de seis
integrantes do PCC para presídios federais. Todos eles são suspeitos de
integrar a chamada “sintonia final dos estados e países” e comandarem
crimes em 14 unidades da Federação, incluindo ataques ocorridos em Minas
Gerais e assassinato de agentes da lei.

Esse comando era exercido do interior da Penitenciária 2, de Presidente Venceslau, onde estava presa a cúpula da facção.

A remoção dos detentos foi solicitada em 2 de dezembro de 2018, e
seis dias depois foi apreendida uma carta na saída da Penitenciária 2 de
Presidente Venceslau encomendando a morte do promotor de Justiça
Lincoln Gakiya.

Salve do PCC

Conforme a coluna revelou, as forças de segurança do país estão em alerta após informações de que a cúpula do PCC
teria divulgado um “salve”, espécie de ordem para que todos os
integrantes da facção espalhados pelo país levantem todo o tipo de
informação sobre servidores dos sistemas penitenciários estaduais.

Os faccionados teriam recebido como determinação duas datas
estabelecidas pelos chefões, para atacar os servidores da segurança
pública: 28 de novembro e 3 de dezembro.

As informações circularam entre detentos encarcerados no Presídio do
Distrito Federal I (PDF I), no Complexo Penitenciário da Papuda. Na
última semana, em um documento sigiloso obtido pela coluna Na Mira, a Secretaria Nacional de Políticas Penais (Senappen)
destacou que policiais penais federais deveriam permanecer em alerta
máximo, principalmente os lotados nos presídios de Campo Grande (MS) e
de Brasília.

Já no sistema penitenciário do DF, na PDF I, os chamados “catatais” gíria dos presos para identificar bilhetes escritos em pedaços de papel falavam sobre o levantamento de dados envolvendo policiais penais de Brasília.

 

 

(Metrópoles)

 

 


Fonte: Ipu Noticias

Mais Notícias

Botão Voltar ao topo